IPCA-15: Inflação sobe 0,44% em maio

O valor do IPCA-15 Hoje está em 0,44%

IPCA-15 Acumulado últimos 12 meses

DataVariação em %Variação no AnoAcumulado 12 meses
2024/Maio0,442,123,70
2024/Abril0,211,673,77
2024/Março0,361,464,14
2024/Fevereiro0,781,094,49
2024/Janeiro0,310,314,47
2023/Dezembro0,44,724,72
2023/Novembro0,334,304,84
2023/Outubro0,213,965,05
2023/Setembro0,353,745,00
2023/Agosto0,283,384,24
2023/Julho-0,073,093,19
2023/Junho0,043,163,40

O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial no país, apresentou alta de 0,44% em maio, novamente abaixo das expectativas do mercado, que esperava uma alta de 0,47%, permitindo a abertura dos juros futuros em queda.

No acumulado de 12 meses, o índice alcança 3,70%, abaixo dos 3,77% observados no resultado anterior.

A alta foi liderada pelos grupos de Saúde e Cuidados Pessoais (1,07%), ainda sob influência de produtos farmacêuticos, e de Transportes (0,77%), o qual foi influenciado pela alta da gasolina e de passagens aéreas.

A difusão da inflação, métrica que observa a quantidade de itens que subiram no mês, saiu de 54,22% para 55,31%, mas permanece abaixo da média histórica.

Núcleos e Serviços Subjacentes

O grupo de Serviços Subjacentes, o qual considera serviços de menor volatilidade, saiu de uma aceleração de 0,38% no resultado do IPCA-15 de abril para uma aceleração menor de 0,31%.

Enquanto a Média dos Núcleos apresentou uma aceleração em relação ao IPCA-15 de abril, passando de 0,19% para 0,31%, porém mantendo-se abaixo da média histórica.

Efeitos do IPCA

Tanto a notícia do índice geral abaixo das expectativas quanto dos serviços subjacentes com aceleração menor foram positivas.

Ainda que foi observada uma aceleração na média dos núcleos e na difusão, ambos seguem em trajetória abaixo da média histórica.

A leitura corrobora com os últimos resultados menos pressionados do IPCA e IPCA-15, trazendo certo alívio para o Banco Central.