Governador do Amazonas quer cobrar royalties da Amazon por uso da marca

Entenda por que o governador do Amazonas quer cobrar Jeff Bezos pelo uso do nome “Amazon” e qual é a reação da empresa e do seu fundador.

Nord Research 30/11/2023 12:00 4 min Atualizado em: 04/01/2024 11:35
Governador do Amazonas quer cobrar royalties da Amazon por uso da marca

O governador do Amazonas, Wilson Lima, disse nesta quarta-feira (29) que vai à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-28) para discutir com a empresa Amazon o uso da marca que leva o nome do estado e da floresta

Em entrevista à TV Globo, Lima afirmou que quer saber “quanto a gente ganha por isso” e que planeja cobrar royalties da gigante do comércio eletrônico, fundada pelo bilionário Jeff Bezos. Confira mais detalhes sobre o tema a seguir!

O que o governador do Amazonas quer de Jeff Bezos

O governador do Amazonas, Wilson Lima, quer cobrar uma compensação financeira da Amazon, empresa de Jeff Bezos, pelo uso do nome do estado e da região Amazônica. 

Em uma entrevista coletiva, ele disse que discutiria o assunto com o fundador da empresa em uma reunião na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP), realizada em Dubai nos Emirados Árabes, a partir de hoje. 

Segundo Wilson Lima, a empresa se beneficia da imagem e da biodiversidade da Amazônia, mas não contribui para a sua preservação.

A campanha do governo do Amazonas

O governador do Amazonas provocou Jeff Bezos na abertura da 12ª Reunião Anual da GCF Task Force, que aconteceu na quinta-feira, 17. Ele mostrou um vídeo da campanha Real Amazon, que convida a empresa, que leva o nome da floresta, a preservar a Amazônia e a investir na sua sustentabilidade.

No vídeo, uma voz feminina e suave se apresenta como a Amazônia, a maior floresta tropical do planeta, e faz um convite provocativo aos espectadores: 

“Se a sua empresa é a mais valiosa de todas, o meu valor é incalculável. Se você usa o meu nome e eu nunca ganhei nada com isso, vem aqui me conhecer de perto. Se você quer fazer parte da solução, eu tenho muito a te ensinar”. 

A voz da Amazônia destaca a sua importância ecológica, social e econômica, e também os desafios que enfrenta. Ao final, o vídeo revela que a campanha é uma iniciativa do governo estadual para:

  • captar recursos para a conservação da floresta;
  • desenvolvimento sustentável do estado;
  • bem-estar do povo local. 

Veja o vídeo completo abaixo:

Relação entre a empresa Amazon e a Amazônia

O fundador Jeff Bezos escolheu o nome Amazon em 1994, quando criou uma livraria online. Ele buscava um nome que iniciasse com a letra A, para aparecer no topo das buscas na internet. 

O nome também simboliza o rio Amazonas, que tem o maior volume de água do mundo, e a ideia de uma loja que oferecia uma enorme variedade de produtos, comparável à biodiversidade da floresta de mesmo nome.

A empresa Amazon é a mais valiosa do mundo, com um valor de mercado de mais de 1,7 trilhão de dólares. Ela atua em diversos segmentos, como comércio eletrônico, computação em nuvem, inteligência artificial, streaming, entre outros. 

No entanto, a relação entre a empresa e a região amazônica é polêmica devido à apropriação simbólica sem uma responsabilidade social ou ambiental. Inclusive, a empresa tem sido alvo de críticas e denúncias por sua contribuição para a emissão de gases de efeito estufa e o consumo de recursos naturais.

Receba conteúdos e recomendações de investimento gratuitamente

Obrigado pelo seu cadastro!

Acompanhe nossos conteúdos por e-mail para ficar por dentro das novidades.

O estado do Amazonas e a preservação da floresta

O estado do Amazonas é o maior do Brasil em extensão territorial, com mais de 1,5 milhão de quilômetros quadrados, dos quais 98% são cobertos pela floresta amazônica. 

Mesmo com tanta riqueza natural, o Amazonas enfrenta diversos desafios para preservar a sua floresta, como:

  • estiagem, que afeta o abastecimento de água e a navegação nos rios; 
  • queimadas, que destroem a vegetação e a fauna; 
  • desmatamento, que avança sobre áreas protegidas e terras indígenas; 
  • falta de infraestrutura, que dificulta o acesso e a integração do estado;
  • dependência econômica da Zona Franca de Manaus, que concentra a maioria da atividade industrial e comercial do estado; 
  • vulnerabilidade social, que expõe a população a situações de pobreza, violência, e doenças.

Para mudar esse cenário, o governo do estado faz e apoia vários projetos de desenvolvimento sustentável. No entanto, esses projetos precisam de dinheiro e ajuda de outros governos, organizações internacionais, empresas e cidadãos.

Posição de Jeff Bezos e da Amazon diante do fato

A empresa Amazon e o seu fundador ainda não se pronunciaram oficialmente sobre a cobrança do governador do Amazonas. No entanto, a empresa já tem o nome “Amazon” registrado como marca em vários países, inclusive no Brasil, o que lhe dá o direito exclusivo de usá-lo em seus produtos e serviços.

Concluindo, a cobrança do governador do Amazonas representa uma maneira de denunciar e combater a exploração e a injustiça que o estado e a floresta sofrem por parte de empresas e não contribuem para sua conservação e desenvolvimento. 

A campanha lançada pode servir como um alerta e um convite para que a empresa Amazon e outras organizações se engajem na preservação e no desenvolvimento da Amazônia, que é um patrimônio do Brasil e da humanidade.

Tópicos Relacionados

Compartilhar