Ações da Bolsa mais afetadas pelas enchentes no RS

Banrisul (BRSR6) é um dos bancos com alta exposição de empréstimos à região e registrou queda de quase -10% desde o início da tragédia. Saiba quais são as outras.

Danielle Lopes 13/05/2024 09:26 4 min
Ações da Bolsa mais afetadas pelas enchentes no RS

Nos últimos dias, o Estado do Rio Grande do Sul (RS) sofreu fortes chuvas, que geraram graves inundações para a região. 

Este evento climático extremo causou problemas logísticos e a paralisação de fábricas de diversos setores.

As ações do Banrisul (BRSR6) e da IRB Re (IRBR3) foram as mais afetadas, até o momento, segundo levantamento feito pelo Broadcast. Os papéis acumulam queda de -9,49% e -8,38%, respectivamente, desde o fechamento de 28 de abril, um dia antes dos temporais atingirem o Estado.

Para efeito comparação, o Ibovespa acumula alta de +0,85% no mesmo período. 

Impactos ainda não mensurados

Algumas companhias, como a WEG (WEGE3), Rumo (RAIL3), Braskem (BRKM5), Marcopolo (POMO4), Carrefour (CFRB3), além do setor aéreo (GOLL4 e AZUL4), anunciaram a suspensão de suas operações, plantas, voos cancelados, além da diminuição da circulação de transporte, o que deve afetar o resultado das companhias ao longo de 2024.

Ainda é cedo para mensurar os maiores danos, mas as companhias já sinalizaram ao mercado que haverá impactos.

A Nord Research não recomenda a compra de ações das companhias listadas acima.

Além disso, outros setores foram afetados, como será abordado a seguir.

Ações da Bolsa mais afetadas pelas enchentes no RS

Bancos 

A situação do Banrisul (BRSR6) é alvo de preocupação dos investidores, dada a perspectiva de perdas com seguros e do governo gaúcho, principal acionista do banco.

O Banrisul tem a maior exposição à região (uma exposição de 52,9% ao Sul do Brasil), seguido pelo banco ABC Brasil (ABCB4), com 18,9%, Banco do Brasil (BBAS3) com 12,2%, BTG Pactual (BPAC11), com 10,6%, Santander Brasil (SANB11), com 10% e pelo Itaú (ITUB3), com 7,2%.

A Nord Research não recomenda Compra de BRSR6.

Resseguro 

No setor de seguros, o IRB (IRBR3) é a companhia mais exposta ao Rio Grande do Sul, na avaliação do JPMorgan, que estima que o impacto sobre o lucro na companhia pode alcançar 14%. 

A Nord Research não recomenda Compra de IRBR3.

Alimentos 

No agronegócio, a BRF (BRFS3) paralisou algumas de suas unidades localizadas no Rio Grande do Sul. 

Segundo informações do Broadcast, a unidade de abate na cidade de Lajeado, no Vale do Taquari, foi a mais afetada pelas fortes chuvas.

Em nota, o frigorífico afirmou que foi acionado um plano de contingência no RS e que, atualmente, a prioridade é apoiar os colaboradores e as comunidades, bem como restabelecer a cadeia de fornecimento.

Uma das maiores questões do mercado envolve a companhia Camil Alimentos (CAML3), a maior fabricante de arroz do país, sendo que o RS representa cerca de 70% da produção nacional.

Como era esperado, os preços do arroz devem aumentar, enquanto Camil deverá apresentar resultados em queda, com margens mais afetadas pelos custos mais altos.

A Nord Research não recomenda Compra de CAML3.

No setor, temos preferência para as ações da Minerva (BEEF3), na carteira Nord Small Caps.

Agronegócio

No segmento de insumos agrícolas vindo do RS, a 3Tentos (TTEN3) estima que cerca de 75% da safra atual de soja e 85% da safra de milho já foram colhidos.

Além disso, os agricultores estavam adiando suas decisões de compra tanto quanto possível, logo, o nosso cenário base não muda.

Para Kepler Weber (KEPL3), as operações não foram paralisadas em Panambi e a safra atual terá um impacto mínimo no resultado da companhia.

Uma possibilidade interessante que a Kepler poderá ter no futuro é o armazenamento da safra atual, que demandará um escoamento mais rápido. Além disso, a localização dos armazéns da Kepler é mais concentrada em locais com menos bloqueios (Panambi).

Mantemos recomendação de compra para as ações da 3Tentos e Kepler Weber, na carteira Nord Deep Value.

Indústria

Na indústria, a Gerdau (GGBR4) parou as atividades em Charqueadas (aços especiais) e Sapucaia do Sul (aços longos). A siderúrgica ressalta, porém, que a paralisação não afetará as entregas aos clientes e que nenhuma das unidades sofreu danos pelos temporais.

A Nord Research não recomenda Compra de GGBR4.

Locação 

No setor de transportes, a Movida (MOVI3) conseguiu mitigar os efeitos negativos nas lojas de locação de veículos (“rent a car” ou RAC). No entanto, foi mencionado que a companhia possui 8 lojas de RAC e 8 de Seminovos na região, sendo que uma de cada foi afetada por enchentes. 

Para a loja RAC, a Movida conseguiu retirar ~90% dos carros da loja. A empresa destacou que a loja é coberta por seguro.

A Localiza (RENT3), por sua vez, fechou 40% de suas agências e segue avaliando os impactos das enchentes. 

A Nord Research não recomenda Compra de RENT3.

Mantemos recomendação de compra para as ações da Movida, na carteira Nord 10X.

Tópicos Relacionados

Compartilhar